A cultura de microalgas

Como cultivar a chlorella?

Culture de chlorella en photobioréacteur

Sem dúvida, as microalgas fazem parte dos alimentos do futuro. Consumidas pelas suas propriedades incríveis (riqueza das proteínas, das vitaminas, dos lípidos…), cada microalga tem as suas especificidades e as suas vantagens. A demanda de alimentos à base de microalgas não para de aumentar e há novos consumidores a chegar ao mercado, impacientes por descobrir estes novos alimentos. Na lista das microalgas e/ou cianobactérias mais conhecidas encontramos no topo: a chlorella e a spirulina. Outras microalgas chegam ao mercado da alimentação como a tetraselmis chui, a odontella…

A chlorella, a microalga com propriedades formidáveis

Descoberta em 1890, a chlorella foi comercializada pela primeira vez no Japão nos anos de 1950 como um alimento nutritivo onde ela é reconhecida pelas suas numerosas propriedades. Várias pessoas utilizam-na por diferentes razões: perda de peso, sistema imunitário mais resistente, diminuição da taxa de colesterol…
Este alimento de elevado valor nutritivo cultiva-se em água doce. Ela cresce nas lagoas e lagos por todo o mundo. Várias ferramentas de produção existem para industrializar a sua cultura.

Os diferentes métodos para cultivar a chlorella

Para a cultura de microalgas ou de cianobactérias, distinguem-se duas categorias de produção: a heterotrofia e a autotrofia. Nos sistemas heterotróficos, são elementos orgânicos, como os açúcares, que vão ser utilizados para o crescimento dos organismos. Os sistemas autotróficos utilizam, por sua vez, elementos inorgânicos como o CO2.

A cultura da chlorella em sistemas heterotróficos: os fermentadores

A cultura em fermentador obtém concentrações muito elevadas. Neste sistema, a microalga alimenta-se de açúcares. Apesar dos recordes de produção imbatíveis, esta ferramenta não permite que a chlorella desenvolva a quantidade suficiente de vitamina B12. Esta vitamina é, no entanto, muito interessante para os consumidores de microalgas.
É importante observar que a operação deste sistema é muito dispendiosa. O consumo de açúcar é duas vezes superior à quantidade de biomassa produzida. Assim, para produzir 500 toneladas de chlorella, serão necessárias 1000 toneladas de açúcar.

É uma ferramenta de produção que consome muita energia e que precisa de uma esterilização drástica. De facto, o desempenho superior do sistema não lhe permite fazer uma distinção entre uma microalga e um corpo estranho. Assim, todos os organismos presentes no depósito irão desenvolver-se.
Para obter uma chlorella que possua todas as características procuradas pelo mercado, é necessário privilegiar os sistemas que utilizam a luz.

A cultura autotrófica da chlorella: os fotobiorreatores nº1

Nos sistemas autotróficos, o crescimento das microalgas efetua-se graças ao princípio da fotossíntese.

Um dos métodos disponíveis no mercado é a cultura em tanque. Este sistema de produção necessita de um investimento inicial muito menos elevado. No entanto, as produções serão muito baixas. Este sistema não é adaptado à chlorella, mas as cianobactérias como a spirulina cultivam-se mais facilmente em tanques.

Os fotobiorreatores terão um lugar de destaque no pódio da cultura de chlorella. Consumindo muito menos energia do que os fermentadores, estes associam a produtividade com a segurança das culturas. As concentrações serão menos elevadas, mas a utilização da fotossíntese permite-lhes obter uma microalga com todas as propriedades esperadas. Com uma melhor pegada carbónica, os fotobiorreatores são ferramentas mais ecológicas e mais respeitosas do produto.

Para lhe dar um exemplo mais concreto, nos nossos sistemas, obtemos taxas de concentrações na ordem dos 500 milhões de células por mililitro ao cultivar Chlorella Vulgaris.
Para mais informações sobre os nossos sistemas, entre em contacto connosco

E a mixotrofia no meio disto tudo?

A mixotrofia é a capacidade de um organismo de se poder desenvolver pela heterotrofia e pela autotrofia. Cultivar em mixotrofia agrega a tecnologia dos sistemas autotróficos com a dos sistemas heterotróficos. As microalgas vão, assim, alimentar-se tanto de matérias minerais como de matérias orgânicas. Um sistema que permite agregar as vantagens dos dois modos de produção, mas também as desvantagens (custos muito elevados, necessidade de uma melhor esterilização…)